Copiando sem querer, plagiando sem saber

mONAEngana-se quem pensa que a principal parte do corpo de um ilustrador sejam as mãos ou os olhos. Ou a bunda, porque é nela onde ficamos sentados a maior parte da nossa vida fazendo desenhos. Se você for colocar alguma parte do seu corpo no seguro, como fizeram algumas moças que usavam as nádegas pra ganhar a vida sem invasão naquele lugar onde não bate sol, eleja o cérebro como o órgão preferido. Sem ele, não se faz nada. Vivo no temor de receber uma visita no futuro de um dos participantes do trio Parada Dura – Mr. Parkinson, Mr. Hutchinson ou Mr. Alzheimer. O glaucoma, embora afete meus olhos, já está controlado, pra quem quiser saber.

Essa informação está na revista Mundo Estranho de março, vale a pena estendê-la nesse varal de ilustradores.

Vejam bem, antes de tudo, isso não é uma desculpa pra quem plagia coisas de forma mequetrefe e foradalei. Mas explica alguns lapsos criativos que todos nós, que trabalhamos com criação, podemos e vamos ter.

Muitas vezes bolamos um desenho, ou no caso de publicitários, criamos um anúncio onde, dias mais tarde, algum fulano mostra de onde você tirou a idéia. Espantado, juramos de pés juntos, de verdade e botando a mãe no meio da conversa, que nunca vimos o predecessor da sua idéia.

Ponham a culpa na CRIPTOAMNÉSIA!! É quando o célebro faz a gente acreditar que nós fomos os verdadeiros pais daquela idéia maravilhosa, mesmo sem ter sido. A explicação é que a memória humana retém a informação mas não retém a origem dela. Ou seja, tem vezes onde é impossível lembrar onde ela viu a idéia original, mas se lembra dela, e essa lembrança faz parecer uma epifania criativa, quando na verdade estamos copiando algo que já existe. Tem horas que só uma desculpinha e um café na padaria resolve. Mas quando você está criando um personagem de dezenas de milhares de dinheiros, meu rapaz, isso é motivo de enfiar a cabeça dentro de um formigueiro de vergonha, além das complicações de um real processo de plágio.

Segundo a revista, quem é criptoamnésico tem mais chances de fazer a barbada se o autor do original for do mesmo sexo.

O maior plágio de ilustradores do mundo

Uma coisa a gente tem que admitir: piratas maledicentes e usurpadores de propriedades autorais têm culhões. Somente alguém que não tem medo do desconhecido e de uma multidão em fúria faria uma coisa dessas.

Saiu no blog Drawn.

Já piratearam ovos, iPhone, carros, até a Disneylândia. E agora eles piratearam um catálogo completo de ilustradores.
Não um, nem dois, nem vinte. Mas dezenas e dezenas de ilustradores que tiveram suas ilustrações usadas nesse catálogo chinfrim sem autorização. Não contei, mas arrisco a dizer que chegam a quase 100 as vítimas dessa larapiedade.

O crime se chama Colorful Ilustration 93ºC e custa mais de 100 doletas.

Tem gente de peso, como Luc La Tulippe, Eboy, e tem até brasileiros, como o Ademas Batista. Todo mundo roendo a perna da mesa de raiva.

Pra quem duvidar, aqui vai uma página com todas as páginas do livro fotografadas.

O mais safado dos piratas amarelos pode dizer que eles estão divulgando a arte do ilustrador, que é bom pra ele, como acontecem com algumas publicações por aí. Pura balela, discurso escapista de pilatra pirata. Por 100 dólares, alguma coisa deveria retornar no bolso do artista, e não enriquecendo cofres imundos de fuligem e gordura de pato.

Par de vasos

Aah, o mundo da internet pode ter seus críticos, mas o legal é que ele deixa o mundo petinininho.
A fabulosa Carla teve a paciência de me enviar uma imagem do anúncio do Focus feita pela JW Thompson que é espelho do anúncio da Yazigi feito pela McCann Erickson. Resta saber se o ilustrador da outra também foi Thomas Broome, já que não existem rastros de informação sobre esse anúncio na net. Big dog fight.

E novamente o primeiro da fila: