Não, não e não. Duas vezes não, duzentas vezes não.


Algumas pessoas e empresas estão usando a imagem da Audrey que fiz como exercício como uma Fast Girl, sem permissão, autorização ou benção pra estampar camisetas, vestidinhos e outras coisas, algumas até empresas de grande porte e outras com preços bem salgado. Talvez ninguém tenha dito isso pra vocês antes de montar um negócio baseado em imagens, mas tem uma coisa chamada direito autoral, e se não sabem o que é isso ou não se importam, talvez ao passarmos do âmbito comercial e artístico para o judicial a coisa fica menos divertida mas mais correta (no caso o verbo está no passado, porque eu “já passei” para o âmbito legal). Nesse caso, da minha parte e da Viacom, que é a proprietária dos direitos da Bonequinha de Luxo.


Obrigado pela Juliane Barros pelo toque desse novo usuário indevido.
E não gente, não adianta pedir pra usar a imagem que não dá, não quero e nem tenho o direito, já que, como disse acima, a personagem pertence à Viacom Company.

E obrigado pela Marcella Carter pelo novo aviso da imagem com o gato mequetrefe.

Revista Ilustrar # 14 e avante

Saiu no começo do ano a edição número 14 da indefectível mas não menos impressionante Revista Ilustrar, que custa módicos O reais pra download mas mesmo assim tem um valor inestimável. Acendam uma vela para Ricardo Antunes, o pai da criatura.
Ilutrar14
Nesse número, como sempre, uma miríade de ilustradores quebra-queixo-cata-caco. Dentre eles, Fernando Vicente e suas garotas esguias e risonhas, que inveja, e os sketches cheios de aquarela e tipografia do Marcelo Valverde, com imagens de arrancar a essência vital do seu ser e se sentir um pequeno invertebrado criativo ao lado dele – sua mãe devia misturar aquarela em sua mamadeira, é um Garrincha da ilustração (veja que o poder dos adjetivos é infinito em sua sabedoria ou em sua enfadonheidade, se for mal utilizado).
valverde
Tem também os textos do Brad Holland sobre os retratos que eram pintados nos sarcófagos das múmias dos classe média no antigo Egito – quem for pra NY visite o Museu Metropolitan durante uns dois dias e fique embasbacado com essas pinturas, e parar pra pensar que os antigos egípcios não eram como Richard Burton e Elizabeth Taylor, mas mais bonitos e morriam mais jovens, e também um puta texto do Alarcão sobre concursos e direitos autorais, pra fazer qualquer ilustrador mais zumbificado tomar a pílula vermelha.

Isso e muito mais, como diz a propaganda de chapinha que passa na madrugada.

O maior plágio de ilustradores do mundo

Uma coisa a gente tem que admitir: piratas maledicentes e usurpadores de propriedades autorais têm culhões. Somente alguém que não tem medo do desconhecido e de uma multidão em fúria faria uma coisa dessas.

Saiu no blog Drawn.

Já piratearam ovos, iPhone, carros, até a Disneylândia. E agora eles piratearam um catálogo completo de ilustradores.
Não um, nem dois, nem vinte. Mas dezenas e dezenas de ilustradores que tiveram suas ilustrações usadas nesse catálogo chinfrim sem autorização. Não contei, mas arrisco a dizer que chegam a quase 100 as vítimas dessa larapiedade.

O crime se chama Colorful Ilustration 93ºC e custa mais de 100 doletas.

Tem gente de peso, como Luc La Tulippe, Eboy, e tem até brasileiros, como o Ademas Batista. Todo mundo roendo a perna da mesa de raiva.

Pra quem duvidar, aqui vai uma página com todas as páginas do livro fotografadas.

O mais safado dos piratas amarelos pode dizer que eles estão divulgando a arte do ilustrador, que é bom pra ele, como acontecem com algumas publicações por aí. Pura balela, discurso escapista de pilatra pirata. Por 100 dólares, alguma coisa deveria retornar no bolso do artista, e não enriquecendo cofres imundos de fuligem e gordura de pato.