Calendários na POP

logoPOP
Quem mora perto de Pinheiros pode comprar o meu calendário lá na Livraria POP – Rua Virgílio Carvalho Pinto 297. Também por módicos 12 reais.
calendar 2

Mas levem também uns cobres a mais, porque os livros e os “brinquedos” que são vendidos lá praticamente falam “passa a grana” pra quem é fã dessas coisas que não enchem a barriga mas satisfazem o célebro.

O maior desenho do mundo

Quanto você cobraria por uma ilustração de 4km de comprimento?


O Homem de Maree é uma gravura de um aborígene atirando um bumerangue descoberta (ou desenhada?) em 1998 no sudoeste da Austrália. Ele tem 4km de extensão e especula-se que deuses astronautas usaram o deserto australiano como sketchbook (trilha sonora de Arquivo X tocando ao fundo). A teoria mais aceita até agora é que gente com muito tempo sobrando fez esse desenho gigantesco em 1998 (é o princípio da Lâmina de Ockham, quando duas explicações são pertinentes para o mesmo problema, a mais simples tende ser a verdadeira).

Talvez uma tentativa de se criar uma Nazca australiana. Nazca, pra quem não sabe, é uma parte do Peru coberta por estranhas linhas e desenhos de animais gigantescos encravados no solo. Esse sim um pouco mais misterioso.

Galeria Nucleus

Fuçando o site da Brianne Drouhard, descobri uma galeria na Califórnia onde ela vende suas artes originais e prints pra qualquer vivente, como dizem os gaúchos. O lugar se chama Gallery Nucleus, uma galeria de arte só de ilustrações, o que achei uma bela duma sacada (imagino que muitos ilustradores brazucas já devem conhecer esse lugar).

Por que a gente não tem um lugar desses no Brasil? Podia ser só um site mesmo, mas que vendesse apenas originais e prints de ilustradores brasileiros. Muita gente estaria interessada em comprar esse tipo de arte (sim, ilustração é arte sim, pois se uma fatia de salsichão é arte porque uma ilustração do Gilberto Marchi ou do Benício não seria?). Imagine comprar uma gravura original da Fernanda Guedes ou um sketch do Orlando ou do Gustavo Duarte? Seria uma maneira de ganhar um dinheirinho, mas principalmente, de difundir o trabalho do pessoal entre o público em geral, e não apenas entre editoras e agências de design e publicidade.

Arrepiei quando vi essa foto, eles fizeram uma vernissagem com as páginas ilustradas da revista Flight, que é uma pérola em quadrinhos (são quadrinhos feitos por ilustradores que não são da área de quadrinhos, e o resultado é muuito legal, consegui encontrar os 3 volumes em Barcelona).

Também vendem livros, que alguns você encontra aqui no Brasil fácil, fácil, mas tem outras raridades também, além de brinquedos e outras tranqueiras.

Eles aceitam encomendas de fora e enviam por correio. O horror, o horror.

Esses foram os prints que a fada Visa vai trazer pra mim daqui a algumas semanas:
Ilustração de Kazuo Kibushi, que é uma das capas da revista Flight.

Ilustração de Wakako Katayama, liiindo.

Ilustração de Chris Appelhans, também meigo e lindo.

Essa é da Brianne Drouhard

Essa é minha preferida, do Ronnie del Carmen. Fiquei surpreso que ele também vende seus trabalhos lá, pois sou um fã da Nina, personagem que ele criou e só existe em dois livros chamados “Paper Biscuit”.

Todos são prints autografados e numerados que vão de 40 a 60 dólares, os originais custam os olhos da cara, de 500 a 4 mil dólares. Tem um original da Audrey Kawasaki, que é uma ilustradora que pinta ninfas em óleo ralo sobre madeira que fiquei namorando um tempão, ainda bem que ele já havia sido vendido, pois ele custa 900 doletas, e eu não tô com essa verba toda.

O difícil é escolher, são centenas de ilustrações e obras de arte. Mas tem que se conter, senão a conta bancária vai pro saco, e você fica com a parede cheia de obras e arte, mas almoçando biscoito e jantando pipoca com água.

Dica

Há anos eu compro coisas pela internet usando um cartão de crédito virtual. O Itaú tem esse produto, acredito que outros bancos também o tenham. É um cartão de crédito que só existe virtualmente, com um limite bem baixo, pois caso aconteça alguma fraude é facílimo de cancelar, além de não cair na tentação de comprar um Mac Pro de 3 mil dólares. Assinaturas de revistas, pagamento de mensalidades de hospedagem de sites, livros da Amazon, sites pornôs, tudo dá pra fazer através dele. Ô coisa boa que inventaram!

Fortaleza da Solidão Mexicana

A Fortaleza da Solidão – aquele lugar meio brega, gigante, cristalizado e gelado onde o Super-Homem vai chorar as pitangas e chupar o dedão quando entra em crise – existe e fica no México.

É a maior caverna de cristal do mundo, que fica ironicamente na cidade de Chihuahua, ao norte do México.


Tem mais fotos pra fazer qualquer socialite chorar de estragar o rímel de tanto desejo (ou de esotéricos que encontraram sua Meca) no site oficial.

Aproveitando o gancho sobre “Superman”, achei esse vídeo no Youtube:

Ganhou do famigerado e ultra-tosco filminho do Daileon.

É um filminho feito na Índia, onde Super-Homem com cara de Govinda e uma Mulher-Aranha rebolam mais do que a banda Calypso, enfrentam bandidos com qualidade de Hong Kong e…sei lá, são tantas coisas misturadas que nem dá pra escrever, é um X-Tudo feito em carroça no meio do parque.

Tem gente que gosta.

Quando Jesus e Elvis se encontram

Brega nem seria a palavra correta para esse tipo de ilustração.

É algo maior, eles te dão uma experiência sensorial…faz você lembrar de cheiro da casa da sua tia velha que tem cristaleira cheia de cupim e pequinês decrépito que solta pêlo em nacos e fede ranço; faz você lembrar que teve medo do quadro do menino que chora (que dizem que tem um espírito morando nele), faz lembrar de existe gosto pra tudo. Não importa, esse tipo de desenho nunca me traz sensação boa, é como se fosse um trauma de infância querendo se manifestar quando vejo um quadro de cachorros jogando sinuca.

(reparem no detalhe do dedo do buldogue, mutação canina)
De qualquer forma, descobri que existe uma Meca para esse tipo de desenho. É um museu chamado Velveteria, que fica em Portland, o maior (???) acervo de pinturas em veludo negro do mundo. Pasmem, nem em meus piores pesadelos imaginaria que pintura em veludo negro seria um estilo de arte extremamente difundido, adorado e cobiçado! Quem precisa de Renoir quando se tem Continue reading