Jesus faz aniversário e quem ganha o presente é você!

vENDASe você mora pra lá de Jijoca de Jericoaquara e não consegue vir pra terra do Minhocão pra visitar a exposição Magioska, não se apoquente porque agora Lady Guedes disponibilizou todo o acervo para olhar e comprar pela internet, através do site da Galeria Magenta. É sua chance de investir (veja bem, investir, não gastar) o que sobrou do seu 13º e ter um Hiro aquecendo o ambiente da sua casa.
vendamagi
Também num ato de bondade e crença na raça humana, os antigos trabalhos também estão com um desconto de até 50%, mas deixa passar o Natal pra ver a coisa crescer de novo.

Fast Girl # 100 – Mocinha sem nome no parque da Aclimação

Nhá, pra centésima Fast Girl não vai nenhuma divindade nerd, é algo diferente. É bom quebrar a sequência de vez em quando. Ninguém adivinharia quem seria porque nem eu sei o nome dela.
Bogirl
Estava eu no sábado passado, castigando o sketchbook depois de correr no parque da Aclimação, desenhando os cidadãos passeando com suas unidades cinófilas, também chamados de cães ou totós (Alarcão, se você estiver lendo isso, traz teu curso de desenho de observação rápida pra São Paulo, porque tô precisando), quando uma mocinha bonitinha de chapéu sentada no banco ao longe me viu desenhando e fez, olhe só, uma posinha com um sorriso marotoso durante alguns minutos, se levantou e foi embora.

Depois de escanear o sketch, dei uma garibada no Painter por cima e achei que ficou bacaninha e diferente, o suficiente pra ganhar o número 100. Talvez no número 200 eu desenho um halterofilista besuntado em azeite de oliva barato e pelado.

Amanhã voltamos pra programação normal.

Fast Girl # 99 – Tifa Lockhart

Foi-se o tempo em que eu tinha tempo e disposição para jogar Final Fantasy e aturar os diálogos longos e impossíveis de pular, como se fossem filminhos de Hugos Chavez conversando com ele mesmo. É aquele tipo de jogo odioso que, se ficar uns dias sem jogar, você esquece tudo o que tem que fazer, pra onde tem que ir e fica zanzando pelos mundos batendo em monstros só pra ganhar uns trocados. Final Fantasy parece que vem com remédio pra dormir em forma de luz, eu caio no sono em dez minutos que nem o pai do Homer Simpson.
E por que esse jogo se chama “Final Fantasy” se a cada 3 ou 4 anos sempre sai um novo?
Tifa

E se eu ficar velho ao ponto de não reconhecer um queijo de um amigo, alguém por favor me faça de Marley, me dê uma injeção tipo “sonolongo” e diga “You are a great dog!!” no pé do ouvido. Snif.

Detalhe, ninguém adivinha quem é a Fast Girl 100 de amanhã.

Fast Girl # 98 – Yori

Tron era o equivalente ao “Avatar” na época em que se jogava Atari, especificamente Enduro durante horas esperando o jogo acabar, mas não acabava porque não tinha fim.
Yori
Era bem dark para os padrões Disney da época.

Além do pastel oleoso digital do Painter XI, usei o pincel FX Neon, e não é que a coisa funciona?

Beware! The Calendar…is coming!!

Por motivos de força e porrada maior, o queridinho calendário só vai ser entregue em janeiro.
Essa é a capinha do acepipe gráfico.

Calendario

Tudo bem, ele ainda vai ser útil por 11 meses.
Vou sortear alguns deles no Bistecão Ilustrado de janeiro.
Talvez alguns deles no Twitter também, se alguém me dar uma dica de como fazer isso. Não faço a mínima idéia de como sortear isso no Twitter.

Spasibo!

Spasibo em russo é “obrigado”.
Aos amigos, fãs, interessados que foram na abertura da exposição Magioska na Galeria POP. Sabemos que, se não fosse pela questão pluvial, mais pessoas teria aparecido, mas surpreendentemente mesmo assim foi muita gente!
Picture 18
Picture 23
Mesmo assim é bacana ver gente olhando pro seus quadros com um olhar que não seja o crítico de um diretor de arte ou art buyer. Como primeira exposição, pra mim, foi bastante divertido e acabei pegando gosto da coisa, não que eu me considere um artista, Charles Watson que o diga, mas a diversão de fazer os trabalhos e vê-los em outra situação que não seja em uma embalagem ou anúncio de revista é regozijante.
4166394745_8fd2bb83e7
Essa é uma rodinha de amigos com as 12 matrioskas e matrioskinhas que pintamos (foto do Gil Tokio). As minhas são as do primeiro plano à direita.À esquerda, em primeiro plano estão as do Fernando Chamarelli, atentem ao preciosismo feito por um robô, por causa linhas finíssimas como um pêlo pubiano de uma fada anã.
DSC02402
Essa foi a minha parede, com os 28 quadrinhos. Os nomes das criaturas não aparecem, mas foi uma atração à parte (Eutanasha, Shoshova, Cherno-Bill, Ovinka, Katebushka, Porrenko).
Detalhe
DSC02427
Essa foi a parede do Samuel Casal, o ilustrador que tem um pacto com o demônio, pela velocidade que ele pinta…
Picture 21

Alguns dos trabalhos da Fernanda Guedes…
DSC02412
A parede do Leo Gibran. Se ninguém comprar o quadro da cadelinha, eu tasco a mão em janeiro.
DSC02415
Essa é a matrioska matrona gigante feita pelo Zé Otávio, feita na parede externa da POP
DSC02418
E essa é a minha contribuição externa.

Mas quem não foi não se apoquente, porque embora não estejamos lá em carne e osso, a exposição fica até dia 09 de janeiro. Quem comprar um quadro da exposição terá nossa benção e lugar garantido no céu dos ilustradores.

Galeria POP – R. Virgílio de Carvalho Pinto 297 – Pinheiros

Fast Girl # 94 – Betty Atômica

Betty Atômica não fez muito sucesso no Cartoon Nerwork, as historinhas eram muito ruins, tudo tinha a mesma estrutura (Betty na Terra com problema, Betty vai pro espaço deixando o problema de lado, Betty resolve perrengue no espaço, Betty volta pra Terra e resolve problema). Assim como os episódios de House.
Bettyatomica
Os personagens coadjuvantes também eram insossos e maldesenhados, mas em compensação a construção do personagem Betty era muito gracinha.

Ainda assim, “Brasinhas no Espaço” era muito melhor.