Fast Girl # 81 – Rei Ayanami

Eu conheci Evangelion no extinto canal (e fantástico) Locomotion. Que deu lugar a esse lixo que hoje é o Animax (ah, o departamento comercial desses canais devem ter 7 níveis, todos pra baixo). Nada supera Crapston Villas e Rex the Hunt.
rei

Mas eu não gosto do Evangelion, pelo menos não dos momentos de introspecção do Shinji, tão divertidos como um câncer. As cenas das lutas entre os EVAs e os anjos, em compensação, eram muuito boas.

Mas como tem muuuita gente que gosta, por que não fazer uma?

Se você pedir uma ilustração de graça eu te darei algo pra tapar aquele lugar onde não bate sol

As propostas indecentes de trabalho para ilustradores, fotógrafos, designers, artistas e outros que trabalham com algum tipo de arte em troca de visibilidade, fama, feijões mágicos são como cocô de cachorro de vitrine. A merda vai acumulando no chão e os cachorrinhos alegres, vulgo pessoas inseguras que aceitam esse tipo de proposta, vão rolando alegre em cima da própria merda. Tem que ter alguém pra trocar o jornal, e tem que trocar todo santo dia. Infelizmente, os cachorrinhos não tão nem aí, até o dia em que eles tenham alguma infecção ou diarréia. Como dizem, a merda já foi feita.

Esse tipo de gente que não tem noção de quanto custa o trabalho de um ilustrador, seja ele um moleque fazendo um game que só vai virar realidade entre a meia noite e as sete, enquanto ele sonha, que pede personagens de graça, seja um empresário (sic) que gasta mais com a bolsa Louis Vuitton da mulher do que com o personagem da empresa dele, seja de empresas grandes que querem sugar até o último fluido vital com concursos que fazem do participante uma foca, pois o pagamento é visibilidade e peixe morto, esses meu amigo, são como moscas de padaria. Você enxota um e logo depois aparece outro no mesmo lugar pra atazanar a vida de quem vive disso.

Pois bem, a Old Black Gallery criou, com ilustração do Fernando Mosca, a campanha “Aponte o Dedo, não o Lápis”, pra colar não na testa, mas no lugar que não bate sol daqueles que pedem essas pedras nos rins:.
aponte
No blog tem todos os arquivos de graça pra download em boa resolução pra você, quando receber uma proposta vilipendiosa ou ver um concurso do tipo “Dionea”, pois só pega mosca tonta (Dionea é aquela planta carnívora que fecha a mandíbula) e ao invés de soltar bile pelas venta, use o selo pra divulgar a coisa-ruim.

Ótima iniciativa.

Baião Ilustrado, eitcha

A gente brinca, mas tem um quê de seriedade, que quando o Kako criou o Bistecão Ilustrado ele criou na verdade o “Clube da Luta Ilustrado”.
Não porque o pessoal quando se encontra entra no pugilato e ocorre farta distribuição de porrada. Mas desde a criação do encontro entre ilustradores em São Paulo, outros similares começaram a pipocar pelo Brasil de maneira expontânea. Já existe o Rabiscão Ilustrado, em Brasilia, o Pinhão Ilustrado, em Curitiba, o Cobal Ilustrado no Rio; o Bolovo Ilustrado (Bolinho de ovo?) em Curitiba e o Baião Ilustrado em Fortaleza. Nessa lógica, Kako seria o Tyler Durden que desenha e não faz sabão de gordura de madame.

O Baião Ilustrado acontece nos dias 5, 6 e 7 de novembro. Os caras são profiças, são três dias desenhando direto. Fortaleza, a terra do Didi, vai respirar canetinhas Poscas. O Kako vai dar uma oficina de Ilustração no dia 07/11. Aproveitem e façam inscrição, porque coisa boa acaba logo.

Fast Girl # 78 – Leeloo

O Quinto Elemento tinha mão do Moebius nos concepts artísticos e do Jean Paul Gaultier nos figurinos. Tem algumas cenas que até mesmo lembram “O Incal”.
leeloo
E já foi discutido isso em uma mesa de bar: Milla Jovovich (se fala “Iovovitch”?) de tanto escolher filme ruim pra trabalhar será a versão feminina do Rutger Hauer? Ultravioleta e Resident Evil dizem que sim.

E esse filminho não tem nada a ver com o tópico, mas a embriaguez do sono me permite liberdades como essa. Topei com ele por acaso as agora, as 4 da manhã e não consigo mais dormir. É macabro e divertido, como uma brincadeira do copo entre palhaçøs.

Outra lâmina de bandeja que não saiu

Essa lâmina de bandeja era pro McDia Feliz desse ano, fiz antes de viajar pra NY mas esotericamente não vingou. Rolou uma outra, feita por outro ilustrador.
starlamina3
Não é arte final, é um layout mais acabado. E as estrelinhas ficaram com cara que saíram do “Super Mario Galaxy”.

Fast Girl # 76 – Valentina

Você também confundia Valentina com Emanuelle?
valentina
A grande diferença é que Emanuelle, a vadia internacional, sorria. Valentina, elevada a um status de nu artístico, não.
Essa vai pro Ricardo Antunes, conhecemos uma Valentina na Sociedade dos Ilustradores de NY, uma estudante de arte russa solitária que estava lá fazendo sketches das meninas alegres e peladas e que fez um “tlim” na cabeça do homem assim que disse seu nome.

Grande karma tem aquela que carrega o nome Valentina em sua carteira de identidade.

Very Fast Girl # 75 – Phoebe Buffay

Essa semana as Fast Girls estão um pouco lentas, mas espero que na semana que vem elas retomem o pique.

Hiro’s Fast Girl # 75 – Phoebe Buffay from Hiro Kawahara on Vimeo.

Antes que alguém pergunte, tentei sim colocar “Smelly Cat” como fundo, mas o problema é que a música é tão ruim que acaba com o clima, essa música tem que ser vista com a Phoebe soltando a voz.
Em compensação, quem souber inglês, preste atenção na letra de “Never On Sunday”, fundo desse filminho. É uma adaptação de uma trilha sonora de um filme antigo chamado “Never on Sunday (oh)”, mas a letra é totalmente diferente e muito mais divertida.
“You can kiss me on a Thursday, on a Friday, Saturday is best”. lol.

Very Fast Girl # 75 – Phoebe Buffay

Essa semana as Fast Girls estão um pouco lentas, mas espero que na semana que vem elas retomem o pique.

Hiro’s Fast Girl # 75 – Phoebe Buffay from Hiro Kawahara on Vimeo.

Antes que alguém pergunte, tentei sim colocar “Smelly Cat” como fundo, mas o problema é que a música é tão ruim que acaba com o clima, essa música tem que ser vista com a Phoebe soltando a voz.
Em compensação, quem souber inglês, preste atenção na letra de “Never On Sunday”, fundo desse filminho. É uma adaptação de uma trilha sonora de um filme antigo chamado “Never on Sunday (oh)”, mas a letra é totalmente diferente e muito mais divertida.
“You can kiss me on a Thursday, on a Friday, Saturday is best”. lol.

Fast Girl # 75 – Phoebe

Sempre que não tem uma Guria Rapidinha é porque eu tô arrancando testículo de boi na unha, na forma de trabalho. Por isso a ausência nesses dias.

Além disso, uma experiência nova é fazer uma Fast Girl depois de ficar 40 horas sem dormir e mesmo assim não conseguir pegar no sono.
PHOEBE
Phoebe, a pata pateta dos Friends, um semáforo era mais inteligente do que ela, mas era a mais adorável do grupo.

Como eu queria ter uma mosca tsé-tsé nesse momento.

Very Fast Girl # 72 & # 73 – Bette & Tina

O filminho das duas moças. Porque hoje é dia de fugir de touro maluco em Pamplona. E o touro se chama cliente.

Hiro’s Fast Girl # 72 & # 73 – Bette & Tina from Hiro Kawahara on Vimeo.

Depois de escutar o papo do Craig Thompson e das coisas que o Montalvo trouxe do Illustration Academy, descobri que começar desenhando bem pequenininho pra fazer a composição e depois fazer um desenho maior é a azeitona da empada. O pessoal lá chama isso de fazer “thumbnails”. Fazer do tamanho original logo de cara é desperdício de energia, pelo menos no meu caso.

Casa nova em breve

Se eu tivesse uma bola de cristal eu jamais faria o blog que veio de presente da Locaweb.
Belo presente. Agora eles descontinuaram o serviço e ninguém consegue resolver o problema da dificuldade de acesso que acontece de dia. O blog não é tão acessado assim que congestione o sistema. Imagine se um dia meu blog for mencionado no Drawn?

Por isso mesmo estou migrando para outro blog mais estável. Vai levar alguns dias até montar tudo, até lá agradeço a paciência pra fila de banheiro lotado que esse problema causa durante o dia.

Palavras de Maurice Sendak para ilustradores escutarem com ouvidos e corações abertos

Maurice Sendak, pra quem não sabe, é o pai do livro “Where The Wild Things Are”, que o concebeu em 1963. Tive a felicidade de ver uns desenhos originais dele em NY, naqueles momentos de osmose espiritual que acontecem quando você encontra um ícone da sua carreira.
sendak
Nesse videozinho, que saiu no blog Drawn, ele fala em 3 minutos qual é o significado de ser um ilustrador infantil, muito significativo. Às vezes um simples “não sei” tem muito mais força do que 700 palavras ditas em um minuto.

Spike Jonze dirigiu o filme do livro e aí ele vira moda por aqui, coisa que deveria ter acontecido há uns 30 anos pelo menos.

Fast Girl # 71 – Shosanna

Além das fofinhas, também tenho um fetiche por mulheres de nariz grande. Mélanie Laurent, a atriz que faz Shosanna, em Inglourious Basterds, tem uma napa digna de se colocar em cima da lareira.
shosanna
O filme se paga com Brad Pitt tentando falar “Arrivederci” com sotaque caipira americano. E Dunder Mifflin grudando na cabeça no final do filme – que vontade de soltar um spoilerzinho. Daqueles do tipo “adivinha quem morre no final do filme?”

Fast Girl # 70 – Tia Entity

Como pude esquecer da madrinha desse blog, a musa moura que deu o nome para este espaço de diversão e ilustração?
Tiaturner
Tina Turner como Tia Entity, que parecia a mãe gorducha (ou madrasta) da Ororo de X-Men, de Mad Max na Cúpula do Trovão.

Ela cantou “We Don’t Need Another Hero” e a vida de todos Hiros nunca foi a mesma.

A Raina dorme em casa essa noite

Fui na Fnac de Pinheiros onde inesperadamente Craig Thompson passou por lá junto com os gêmeos Gabriel Bá e Fábio Moon. Já que eu pretendia ir à FIQ por causa dele, e não fui por causa de trabalhos, a Madame Sorte lambeu os beiços pra mim e disse “eu levo ele pra São Paulo”.
blankets

Como dizer não a uma oportunidade dessas?

Consegui um desenho da Raina feito pelo elegantíssimo Thompson, esse daí ele deve ter levado só uns 5 minutinhos, ele tem uma impressora nas mãos. Mas minha cara de coió enquanto ele desenhava no meu exemplar é a mesma que muitos fazem comigo quando eu desenho ou autografo nas palestras, por isso respeito tanto esse tipo de coisa, sou tão fanboy quanto qualquer um, com a exceção de ser um pouco mais idoso.

E também conheci a Becky Cloonan de tabelinha e ficamos sabendo, entre outras coisas, que 500 páginas pra Retalhos é trabalho de pinto, Habibi, seu próximo livro, vai ter 650. Dá pra matar um sujeito se o livro cair do 10º andar.

E ficamos sabendo também que ele nem faz idéia do que a Raina achou da sua participação no livro. Momento “Caras” dos quadrinhos, ele nunca mais entrou em contato com ela. O amor é lindo mas também machuca, ui.