Oficina lotada!!!

Sinto dizer a quem estava interessado, mas a oficina que eu darei no dia 03/10 na Casa do Artista, nos Jardins, foi totalmente ocupada antes das 10 da manhã! Pareceu vagão de metrô na estação Sé as 6 da tarde.

Sorry folks! Nao esperava tamanha repercussão, a atendente da loja tá no modo maluco “on” de tanto atender telefonemas.

Mas tem um lado bom nessa história:

O seu Alberto, o gerente de lá, me disse que a quantidade de interessados foi tão grande que compensava fazer novas oficinas depois dessa.

Então quem estiver ainda interessado em fazer uma oficina comigo, façam o seguinte:

Mandem um e-mail para

m78estudio@uol.com.br

dizendo seu nome e telefone de contato, que eu coloco você numa lista. Como não sei como será o esquema ainda das novas oficinas, nem data ou valores, eu vou mandando uma mensagem pra cada um assim que tiver isso formatado.
Não é coisa pro ano que vem, segundo ele é coisa pra acontecer já logo depois do evento do IlustraBrasil.

E muito obrigado pelo interesse, gente. Fiquei impressionado com a quantidade de gente querendo fazer a oficina, e meu coração dói como se uma faca de bandido passasse por ele por não conseguir atender todo mundo.

Mas mandem seus emails que com gente boa querendo sempre se dá um jeito.

Fast Girl # 38 – Scary Godmother

Quem conhece a Scary Godmother, que de scary só tem o cabelo, virou instant fã.
scary
A bruxa esquelética criada por Jill Thompson é de uma felicidade irritante, é um trabalho genial. É como se Rita Lee largasse a guitarrra pra andar de vassoura, tomasse uma vitamina de ácido de bateria e ficasse ligada no 220 volts constantemente.
Acho que no Brasil, se não me engano, e eu sempre me engano, só saiu trabalho dela com o Sandman.

As aquareladas são um chuchu.
trixie
Essa ai embaixo é o traço da própria Jill Thompson, a versão mindinha da Scary Godmother, Magic Trixie, é tão fofa que aumenta minha taxa de glicemia. E eu tenho um gibi desses autografado por ela, graças à caridade de amigos que não me deixam passar esse tipo de fome.

Ah, e o desenho foi feito com pastel seco digital, Painter 11 (Sempre vai ser Painter, 9, 10 ou 11)

IlustraBrasil 6 é coisa do Demo!

A belíssima ilustração que representa o IlustraBrasil 6 é do arrepioso Samuel Casal.

O IlustraBrasil é um evento que mostra os melhores trabalhos dos associados da SIB, para tentar promover a ilustração nessa terra que só esportista dá alegria. E tem também mostras, palestras e oficinas com vários ilustradores.

E como setembro as energias cósmicas palestrantes estão convergindo, dia 24 de setembro este ser dará uma palestra, um pouco diferente das que eu dou para faculdades, porque vou dar uma focada mais no processo de trabalho, nos clientes e outras coisas mais direcionadas para ilustradores. Mas nada algorítmico, qualquer um que saiba falar português entenderá o que eu vou falar.

E completando os eventos do IlustraBrasil 06, no dia 03/10 estarei dando uma oficina de desenho, que ainda vou definir, lá na Casa do Artista da Alameda Itú. É só se inscrever, não paga nada e leva muita coisa, menos tabefe e desaforo.

O cartazão tá bacanudo!
ib6
Começa dia 14 de setembro lá no Senac Maria Antonia.

Fast Girl # 37 – Arwen

Puristas radicosos de “O Senhor dos Anéis” estourariam suas espinhas de raiva, bradando que em nenhum momento houve elfa pelada tomando banho como em um clip brega da Enya.
arwen
Mas que fez uma falta, fez.

Onde foi que eu vi o título de um filme gay? “O Senhor dos Anéis de Couro”?

Santa Maria, Curitiba, São Paulo

Setembro vai ser mês porreta, é palestra a dar com o pau!!
teacher
Dia 4 de setembro vou subir no palanque para verborragizar sobre esta pessoa que vive para servir de desenhar em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, no evento R Design da Federal Santa Maria.

Dia 25 vou estar palestrando em Curitiba, no evento Charneira 09, da PUC do Paraná.

Em São Paulo vai ser no dia 24 de setembro, mas tem que ler no próximo post pra saber os detalhes.

As melhores coisas da vida são de graça, pensou o empresário com muita ambição no sangue e nenhuma moral no coração

Harlam Elison é um grande escritor de ficção científica. Lembro de algumas histórias que ele escreveu para a finada Kripta, e depois ele seguiu carreira escrevendo livros e roteiros para cinema e TV. Ou seja, o cara é profissional. Sendo profissional, entende-se que ele ganha dinheiro com o que escreve. Ou não.

O incansável Montalvo teve a preciosidade de legendar um filme onde Ellison reclama das (grandes) corporações que pedem para que ele escreva de graça em troca de divulgação (som de risadas de sitcom) (clica aqui, o filme não dá pra colocar direto no post). Ele, puto como o Alborghetti – e com razão, propriedade e direito de cuspe – reclama além dessa atitude sugassangue a postura com que, não conseguindo o intento de ter um trabalho a custo de buraco de queijo, jogam essa proposta para escritores novatos que, em busca de fama e fortuna aceitam trabalhar de graça. E isso mata como inseticida o mercado, os valores dos trabalhos caem como suicidas pulando da ponte.

Troque o escritor pelo ilustrador e verás que essas pragas (o cara que pede de graça e o sujeito afoito que aceita) são piores que as pragas do Egito, pois são universais.

Já escrevi um post megavisto sobre “Por que não ilustrar de graça”, também vale como complemento vitamínico.

O horror, o horror!

Fast Girl (?) # 35 – Hana

Quem catzo é Hana, perguntarão alguns?
hana2

Como disse num post antigo, evitei de assistir “Tokyo Godfathers” durante anos por causa de um trauma pré-adolescesco assistindo “The Grave of Fireflies”. Afinal, não queria ver outro desenho japonês falando de miséria, de agonia lenta e contínua (a irmãzinha dele morrendo ganha o troféu Cenobita de melhor sofrimento filmado), e o gosto de ferrugem subindo na garganta de novo. Um filme sobre 3 mendigos em Tóquio jamais poderia fazer um sujeito mostrar as gengivas de alegria.

Mas um dia tive coragem e assisti a Tokyo Godfathers. E bela surpresa, foi um dos melhores desenhos animados japoneses que já vi, e virei fã automático de Satoshi Kon naquele dia. Tudo bem que Paprika é confuso, mas é lindo e vai virar uma menina rapidinho loguinho.
tgod
Quem não viu, não sabe o que perde. O filme é divertido, muito inteligente, com uma história bem amarrada – tem um pezinho no filme “Three Godfathers” de John Ford, mas só o fato de Satoshi Kon retratar mendigos que encontram um bebê perto do Natal, e um deles ser um travesti, é coisa joinha. E principalmente, pelo filme ser alto-astral, mesmo com cenas um pouco espinhosas. Tem aquela sacada de roteiro de não ser maniqueísta, de ter um vilão clichê específico, mas uma situação onde acontece algo ruim e algo bom deve acontecer para equilibrá-lo. Coisa que Miyazaki merecendo um beijo na bochecha.

Os puristas dirão que Hana não é uma mulher, principalmente uma garota. E não é, é um traveco (ou um crossdresser, não fica bem claro no filme) de proporções rochosas, mas é a melhor personagem do filme.
E não é o que as pessoas médias dizem, o que vale é a intenção?

E aferramenta aqui foi guache digital com pincel de pelo de camelo, no Painter 11.

Fast Girl # 34 – Poderosa

Ninguém me convence que Power Girl é uma personagem da DC que nasceu pra ser séria. Até o nome em português é coisa de Didi.
poderosa
Também, com essa janela no peito pra exibir as mamosas feito contrafilé no açougue…sim, adolescentes têm hormônios fresquinhos saindo pelo ladrão, ou outro lugar inenarrável.

Amostra grátis da próxima lâmina de bandeja do McDonald’s

Acertou quem disse que eu estava abusando do giz e pastel digital nas Fast Girls porque estava trabalhando em outra ilustração que usava essa ferramenta. Ora pois, afinal essa era a intenção dessas meninas, dar uma treinada para quando viesse o trabalho mais sério.
cangoo
Essa é uma palhinha bem humilde da próxima lâmina de bandeja do McDonald’s. Daqui a um mês mais ou menos nas lojas.
Quem viver, verá.

Fast Girl # 32 – Cheetara

Muita gente pediu e liberei a Cheetara da reta.
Não houve um menino que torceu o nariz pra Thundercats. “Espíritos do Mal, transformem essa forma decadente em Mum-Rá”; como a gente imitava isso e recitava pras tias velhas que cheiravam laquê com cigarro, quando chegavam em casa.
Cheetara
E o Snarf é a versão felina da hiena Hardy Har Har, bicho malemolentemente irritante. Quem não tem um amigo (defina amigo) ou parente igual a essa criatura odiosa, o desinteressado, sem energia, reclamão, o sebo de carne ambulante?

No Bost!!

Estava eu andando a caminho da padaria, cabisbaixo olhando para o chão na esperança de encontrar uma nota de R$20 pra pagar o pão e o presunto Royale para o lanche da tarde, quando me deparo com uma pérola grafitada no meio da calçada. Valei-me de um celular com câmera!
nobost
Nada como protestar com estilo. Criatividade e um pouco de design gráfico não fazem mal pra ninguém. Ao contrário de bosta de cachorro na rua.

pluto

Alguém diga isso para as lojinhas que vendem piranha empalhada e prato com borboleta pra turistas.

Proibido para maiores – Rá Ré Ri Ró Ria

Essa ilustração é capa do livro “Proibido Para Maiores 3″, uma compilação de piadinhas e adivinhas para os mais tenros de idade, aqueles que você ainda não pode falar putaria na frente. Deve estar nas livrarias lá pelo dia 20, e foi editado pelo Paulo Tadeu, lá da editora Matrix.
rarii
Feito na aquarela digital do Painter 11.
Dentro tem várias ilustrações generosas de tamanho em branco e petro. Bem ingênuas, bem tolinhas, mas todas fofinhas.
batmanparrot

Fast Girl # 31 – Mirza, a Mulher Vampiro (Mais os vencedores do troféu HQ Mix 2009)

A garota rapidinha de hoje é especial. Toda feita em guache digital
mizza2
Mirza, a Mulher Vampiro (por que não simplesmente Mirza, a Vampira?), foi cria do Eugênio Colonnese que morreu em 2008, um dos papas da época em que se publicava quadrinhos de terror no Brasil, junto com o Flávio Colin, Jayme Cortez, Rodolfo Zalla, entre outros.

E é dessa gostosa sedenta que é a figura do troféu HQ Mix desse ano. Olha só a delicinha de troféu:

Pra quem não sabe, puxa vida, o troféu HQ Mix é a mais importante premiação de quadrinhos e ilustração que existe no Brasil, criado pelo Jal e Gual desde os tempos da TV Mix, na Gazeta. Tem peixe grande votando e sempre é uma referência ser ao menos indicado por essa premiação. E os personagens do troféu mudam todo ano, ao contrário do enfadonho Oscar.

E essa é a lista completa dos ganhadores deste ano, parabéns parabéns para todos. E olha só, até o Bistecão ganhou um prêmio como melhor evento.

Adaptação para os Quadrinhos – Dom Quixote

Adaptação para outro veículo – Batman, o Cavaleiro das Trevas (cinema)

Articulista – Rogério de Campos

Caricaturista – Dálcio Machado

Cartunista – Duke

Chargista – Angeli

Desenhista Estrangeiro - Liniers

Desenhista Nacional
- Rafael Grampá

Desenhista Revelação
– Hemeterio

Edição Especial Estrangeira – Asterix e seus amigos

Edição Especial Nacional -
Mesmo Delivery

Editora do ano
– Panini

Evento – Bistecão Ilustrado

Exposição – Angelí/Genial

Grande Contribuição – FNAC

Grande Contribuição – Programa PNBE

Grandes Mestres – Ciça e Zélio

Homenagem/Destaque Internacional – Fábio Moon e Gabriel Ba

Homenagem/Destaque Internacional
– Ziraldo

Ilustrador Nacional
– Weberson Santiago

Livro Teórico – Henfil, O humor subversivo

Mídia sobre HQ
- Blog dos Quadrinhos

Projeto Editorial - Turma da Mônica Jovem

Publicação de Aventura/Terror/ficção
- 100 Balas

Publicação de Cartuns
– Tulípio 7

Publicação de Charges – 35º Salão de Piracicaba

Publicação de Clássico – Che

Publicação de Humor - Piratas do Tietê n.3

Publicação de Tiras
– Níquel Náusea Em boca…

Publicação Erótica – CLIC n.3

Publicação Independente de Autor – Nanquim Descartável

Publicação Independente de Grupo - Café Espacial

Publicação Independente Especial
- Depois da Meia-noite

Publicação Infanto-juvenil
- Turma da Mônica Jovem

Publicação Mix – Graffiti n.18

Roteirista Estrangeiro - Alan Moore

Roteirista Nacional - Adriana Brunstein e Samuel Casal

Roteirista Revelação – Olinto Gadelha

Salão e Festival
– 1° Festival Internacional de Humor do RJ

Tira Nacional - Níquel Náusea

Trabalho de Doutorado – Valéria Aparecida Bari

Trabalho de Mestrado
– Líber Eugenio Paz

Trabalho de TCC –
Pedro Franz Broering

Web Quadrinhos
– Quadrinhos Ordinários

O regabofe da premiação acontece no dia 21 desse mês, às 20h no Sesc Pompéia.

270 Filmes

Sessão jabá pros amigos continua.

Não é só eu quem está fazendo uma série de desenhos baseados em filmes.
M Dusseldorf
O valoroso André Valente, ilustrador de mão cheia e bandeirante de filmes ruins, muito ruins, (e de bons também, mas esses não são engraçados de serem comentados em mesa de bar) está fazendo em seu blog uma série chamada “270 Filmes”. Ele faz uma interpretaçao gráfica de um filme por dia, sempre num estilo diferente, até atingir a marca de 270 filmes. Tem desde tranqueiras em película, como os filmes do Toni Jaa, onde há farta distribuição de porrada, até os cuti-culti “La Dolce Vita”. Cinéfilo é como tarado, pega qualquer coisa pra saciar a vontade.

Esse de cima, por exemplo, é sobre “M, O Vampiro de Dusseldorf”.

Sempre imaginava como seria um gibi ilustrado pelo Gustavo Duarte, e eis que finalmente ele deu o ar da graça e lançou seu primeiro quadrinho: .
cocapa
Ao contrário do que eu pensava, ele não escreveu uma história usando seu tema preferido: futebol. Resumindo, Có tem mais de Bauru do que o estádio do Pacaembu, mesmo envolvendo porcos. Tem que comprar pra ver.
copages
Os traços do Gustavo são curvilíneos, longos e expressivos, seus olhos percorrems essas linhas como se fossem trenzinhos de montanha russa. Resumindo, quem é fã do trabalho dele é leitura obrigatória. Quero dizer, leitura não porque a história dele não tem texto. Tem uma compreensão universal, qualquer um entende em qualquer país, como qualquer um entende os números ou a Alicia Keys.

Não sei exatamente onde a revista vai ser vendida, com exceção da Livraria HQ Mix, mas dá uma passada no blog dele pra saber onde adquirir uma penosa.

Fast Girl # 29 – Amelie Poulain

São 4 da manhã e estou em uma agência de propaganda fazendo um trabalho freelance, apagando um incêndio de proporções mamutescas. Devo sair depois do sol raiar, então, como dizem em linguagem simplificada, ainda tem muita bunda pra ralar.

Tô a quilômetros do meu computador e não deu tempo de desenhar uma hoje. Então, pra não ficar sem Fast Girl de sexta, decidi postar novamente uma Amélie Poulain que eu fiz bem no começo do blog, há uns dois anos e meio mais ou menos. Mas como o desenho ficou bonitinho, e se eu bem me lembro levou menos de 25 minutos pra fazer, mesmo sendo vetorial e muita, mas muita gente não viu esse desenho ainda, aí vai novamente a lindinha do filme mais epifânico dos últimos tempos. Quem já viu, vale a pena ver de novo. O filme também.
amelie3
Eu estava pensando em fazer um desenho dela bem menos óbvia do que a imagem do cartaz, talvez ela enfiando a mão no saco de feijão ou ela menina sentada no telhado, puxando o fio da antena. Talvez eu faça mais pra frente.

A cena dela descrevendo as coisas para o cego e depois ele se iluminando paga o café das minhas manhãs, de tão bom. E a fase Amelie Poulain menina dava um filme só com isso.

Cara, tem que ser muito rabugento com muito pelo encravado pra não gostar desse filme.

Fast Girl # 28 – Fat Elektra

Acabei de voltar do lançamento da revista Có e amanhã eu posto algo sobre esse trabalho perfeitex do Gustavo Duarte. Devo ter comido um bombom de licor, porque o sono está espancando as meninas dos olhos.
elektra
Agora outra experimentação, depois da experiência um tanto incompreendida da caixa.
Elektra fofinha, já que o Demolidor não enxerga mesmo.
Fiz no pastel oleso do Painter 11, mas deletei acidentalmente o layer dos traços do corpo e ficou legal, terminei a menina assim mesmo. Quase um Frank Miller mais humorado.

Um trabalho anal

Um amigo que quer permancer anônimo me mandou essa imagem de uma lâmina de bandeja feita por um concorrente do meu cliente e parece que foi realmente distribuida nas lojas de Amsterdam – por pouco tempo, pelo visto. Uma cebola sendo violada analmente por um pepino. Nem Hieronymus Bosch pensaria nisso.
anal
Embora em Amsterdan tudo seja mais liberado, é uma lição a ser aprendida: ânus e comida não combinam.

Fofo, cretino e divertido

É bem off-topic do tema ilustração, mas dane-se, é segunda-feira, e nenhuma risada é demais numa segunda. Dinheiro também, mas rir é mais fácil.

Mais um motivo que eu venero o politicamente incorreto.

E eu preciso de uma menina dessas pra ir cobrar uns clientes de vez em quando.
A fofa é filha dele, pelo visto.

E Will Ferrell é mais engraçado nesses sketches curtos do que nos filmes.

Fast Girl # 24 – Sally

Sally, a retalhada mais graciosa que já existiu.
Quê, não assistiu “O Estranho Mundo de Jack”??
Puxa vida!
sally
O pincel usado do Painter 11, grata surpresa, é o melhor até agora, macio como filhotinho de gato: Real Soft Chalk, giz de lousa mesmo.

Nos finais de semana não garanto que as meninas apressadas dêem a cara por aqui, mas se não vierem, na segunda elas voltam.

André Toma e manda bem

Folheando uns números antigos da Revista Ilustrar, revi o trabalho foderosamente excepcional do André Toma e fui até o blog dele pra ver mais dos seus trabalhos.
miyazaki
Seus desenhos são muito, muito (copy e paste “muito” umas 10 vezes) bom!! Dá vontade de bater na mão direita por ela não desenhar como ele.
tuba