Gripe Suína? Eu como porcos no café da manhã!

Cheguei em NY, mais tranquilo (mas muito mais tranquilo meesmo do que pegar o metrô da Sé em horario do rush), sem gripe suína. E o pessoal nas ruas aqui tá pouco se lixando pra ela, ninguém aqui anda com máscara, só com fantasia.

Infelizmente o apartamento que aluguei, ao contrário do prometido, não tem conexão com internet. Entao tenho que descer duas vezes por dia no Starbucks mendigar duas porções de wifi, pelamordedeus.

Por isso mesmo vou adiar um pouco as imagens. Mas tenho desenhado muito. Principalmente por que os novaiorquinos são personagens em quadrinhos. Todo mundo fica na dele, o que é incrivel, ninguem incomoda ninguém, parece que todos ligaram o botão do “Foda-se”. Tipo, “não mexe comigo que não mexo com você”. Se você andar com o cadarço escapando do tênis, o problema é seu, ninguém vai te dar um toque.

Então você vê nas ruas mulheres de shortinho minúsculo num vento congelante, rapazes über fashion com roupas caindo aos pedaços, fisiculturistas negros com cabelo afro usando terno Armani nas ruas, executivos andando com patinete e bichinho de pelúcia nas costas, latinos musculosos penteando topete a la Elvis a todo momento….

Aqui se anda muuito. Uma visita no Museu de Historia Natural levou 4 horas pra ser feita, e não vi tudo. A Macy’s, ao contrário do que se auto-proclama, não é a maior loja de departamentos do mundo. A “El Corte Inglés” da Europa ganha de lavada. E a coca light daqui não presta, aliás nenhuma bebida diet aqui passou no meu controle de qualidade palativo.

Fui comprar uma máquina fotográfica na BH Photo, a Xanadu que todo brasileiro tarado por equipamento gostaria de botar os pés na vida, e ali não é uma loja de equipamentos, é uma sinagoga. Quase todos os funcionarios usam solidéu e falam iidiche.

Vou quebrar um pau com a proprietaria do apê agora pra ver se regulariza a internet. Enquanto isso, vou postar tudo em “plain text” mesmo….

Yataa! Another Hiro em New York

Não é só o Nakamura que ficou pirado indo pra Nova York. Mais um Hiro também vai para o maior condomínio da Terra.

Sim amiguinhos, estou indo pra NY um pouco a trabalho, um pouco de férias e um pouco pra fazer networking, ou como Jovem Nerd diz, “I know people”, e nesse momento estou vendo Cloverfield pra entrar no clima.

Ficarei um mês em um apartamento que é a cara do muquifo do Seinfeld, em Hell’s Kitchen, que é o quartel general do Demolidor. Vou em companhia do Kako e de grandes amigos, entre eles o artista James Kudo. Será uma viagem ilustrada. Conheceremos muitos ilustradores, entre eles o Scott C., muitos estúdios, artistas e gastar a borracha do solado indo em museus e visitando a Sociedade dos Ilustradores de Nova York. E a fada do cartão de crédito vai ter um acidente vascular cerebral nas lojas de material de desenho.

E não tem como negar, Nova York não é uma cidade, virou um inconsciente coletivo. Desde criança você conhece Nova York por causa de todos os filmes que viu na Globo, viu os 3 King Kongs se esborracharem do Empire State Building ou do World Trade Center, leu as pindaíbas novaiorquinas no Homem-Aranha e viu Charles Bronson botar azeitona na cabeça de malandro no metrô barra pesada na série “Desejo de Matar”, entre dezenas de outras menções nerds. No final, você conhece mais Nova York virtualmente do que a cidade de Bauru.

O blog vai ficar um pouco diferente nesse mês que entra. Vindo de uma idéia do Kako, tentaremos (veja bem, tentaremos) fazer um diário gráfico da viagem, fazendo sketches no meu indefectível (e não indefecável) caderno, relatando eventos aleatórios dignos de nota, fotografando as páginas e postando neste humilde blog.

Pra começar, já fiz a intro, eu e o Kako molestando a estátua da Liberdade. E antes que me perguntem, se eu desenhar essa viagem eu irei me representar como o Homem-Maravilhoso, porque não gosto muito de me desenhar e acho o Homem-Maravilhoso mais interessante. Ao contrário do Kako com seus braços de Hot Wheels tatuados.

E já fiz a mala, no sentido literal da palavra. Pelo menos ninguém rouba essa.

E amiguinhos leitores deste blog, se algum de vocês já foi pra Grande Maçã e tem uma dica bacana que não está nos guias, sei lá, algo como uma loja que vende aquecedores de mamilos ou a melhor lanchonete que vende torta de batata doce, mandem a dica aqui que este mamífero agradece.

Agradeça aos céus pelos seus 2 bracinhos e suas 2 perninhas

Quando fazia faculdade de Biologia, mais especificamente nas aulas de Embriologia, encontrei vários livros na biblioteca sobre Teratologia – especificamente o estudo clínico das deformações visto pelo aspecto embrionário (Teratos é monstro em grego). Tinha prova no dia seguinte, mas perdi a tarde inteira lendo os livros e vendo as fotos, sublinhando o fato de eu ser um sujeito Freak, e o Arquivo X era meu pastor e nada me faltará.

Como gosto de desenhar monstros fofos, e não os gosmentos e limosos de mau caráter, não consigo fazer ilustrações que indicaram pra mim no Flicker. São 17 ilustrações de deformidades arcanas, bem antigas, muitas delas com um tempero fantasioso e inventivo.

Uma das histórias que arrepia as costelas até hoje é a dos gêmeos unidos pelo abdômen Eng e Chang. Eles nasceram no antigo Sião, hoje Tailândia, e daí veio o termo “gêmeos siameses”. Eles viveram 63 anos e morreram no mesmo dia. Chang morreu dormindo de pneumonia e de manhã Eng tentava acordá-lo. Parece que os médicos sugeriram para que ele se separasse de Chang, mas ele se recusou e morreu três horas depois. Cara, que história freak. E ninguém fez um filme sobre isso ainda?

Uma peladona na minha parede

[img:DSC0147666.jpg,full,alinhar_esq_caixa]Aah, Tio Faso que me perdoe, mas traí meu ideal de ter um bonequinho de pano dele em primeiro lugar para dar lugar às damas. No caso, a Suppa, ilustradora e artista com aromas franceses, a quem já dediquei um post aqui. Eu tenho uma DONA, uma série de bonequinhas de pano criadas por ela em parceria do estúdio Colírio. Como, meu Deus, como não ter uma boneca da Suppa?

Ela fez cinco Donas: a Peladona, a Madonna, a Donadesi, Donadela e Donadinha. Eu tenho a Peladona, essa aí do lado.
O texto que acompanha cada uma das bonecas, compridas como uma dama francesa (60 cm de formosura) é hilário. Infelizmente, como dei minha etiqueta, fico devendo esse texto.
Presente perfeito para mulheres em geral: para as poderosas, separadas, ansiosas, desmioladas ou carentes. As mimosas também.

Custa cerca de 120 mesetas na Livraria POP.

Em seguida vou conseguir um Mini-Mi do Tio Faso pra casar com a Peladona.

Meu amiguinho, o acordeon sorridente.

Mais uma peça de jabá pra ser salgada e colocada em exposição. Cada vez que eu coloco um jabá Deus manda um gatinho pro céu, ainda bem que eles nascem em ninhadas.

Também faz parte da série dos cenários de teatrinho do Show do Ronald, mas esse é anterior aos dinossauros. Todo feito no Illustrator CS3. Também feitos para o público que ainda cheiram a talco.

Como dizia o alto-falante do seriado “M.A.S.H”: É só!

O homem alegre fez passarinho azul

Luc la Tulippe é um dos ilustradores fantásticos que eu admiro – ele sempre faz mulheres felizes, e quem faz mulheres felizes sorrindo só pode ser gente boa, vide Bill Presing, Will Murai, Arthur de Pins, entre outros idealizadores de mulheres utopicamente alegres – tem uma estética genial (sabe usar os vetores com elegância) e é gay assumidaço. E além disso é heavy user do Twitter. Eu sou um dos seus seguidores, ô palavrinha com conotação sec†ária.

Ele também é generoso, e oferece para quem quiser 24 passarinhos azuis vetoriais, ícones do Twitter, pra quem quiser possa, de graça. Nunca passarinho azul foi tão feliz. Vindo de quem veio, é um baita presente.

Mas alerte, homem! Não use esses desenhos com intenções obscurantistas, porque isso fará de você um reles vilão e terá o desprezo eterno de La Tulippe, seguindo seus avisos:

* Please do not remove the copyright notice
* Please do not try to pass them off as your own
* Please do not sell them, individually or as a set
* Please do not transfer them onto merchandise or any products which you intend to sell, for example:
o printing them onto t-shirts you’re selling online: NO
o printing one onto a t-shirt or sticker for personal use: YES!
o using them as a logo or as part of a product branding: NO
o using them on your blog: YES!
o using them as avatars on services other than Twitter: YES!
o using them in a book that is about social media: YES!

Essentially, this means they’re for personal use, not commercial use.

O cara é gente fina, não passem a perna nele, seres encardidos!

Sketchcrawl Dois-Patinhos-Na-Lagoa – The Aftermath

No último sábado fez um dia ensolarado tão decente que muitos deprimidos poderiam pensar “Hoje é um bom dia para morrer!”. Mas não para os desenhistas que fizeram parte do Sketchcrawl 22, que se agregaram em volta do Empurra-Empurra na forma de um cardume ilustrado. Mesmo sendo um feriado, veio gente à beça: 154 desenhantes pelo menos. Mais gente do que o Sketchcrawl passado.

Muitas criaturas novas apareceram, muitos veteranos de segunda passada também. Teve até polícia tirando os periculosos ilustradores potenciais destruidores de propriedade pública que estavam empoleirados no monumento de Brecheret. Vieram até de colete, pra não correrem o risco de serem feridos por olhares afiados e limpa-tipos sujos.

Depois seguimos em direção ao parque, num clima tão ensolarado e magnâmico que lembrava a cena no parque em “Fim dos Tempos”. E desenha, desenha, desenha a tarde inteira.


Como no primeiro Sketchcrawl, o que eu menos fiz foi desenhar. Se eu desenhei duas míseras páginas foi muito. O que eu mais fiz foi conversar com dezenas de pessoas, gente que foi lá pra me conhecer, que honra para esse artrópode que ilustra. Distribuí desenhos a granel em caderninhos de muita gente que levou meus monstros e damas pra casa.
Melhor que isso, só sexo com a Maria Sharapova.

Como eu tenho um azar danado, perdi todas minhas fotos porque meu cartão de memória travou a espinha. Então todas as fotos daqui são emprestadas do Montalvo e de diversos seres generosos que postaram seus trabalhos lá.

Pra quem não pode comparecer, não corte seus pulsos nem enfie o lápis dentro do olho. Daqui a uns três meses tem o Sketchcrawl 23. A gente avisa onde.

Feliz Páscoa atrasada

A aquarela é um cavalo chucro vigoroso, uma mulher linda com TPM. Leva um tempo pra entender que não dá pra controlá-la, mas acompanhar o ritmo. Mas assim que você entende o ritmo e trabalha com as falhas e improvisos, coisas maravilhosas podem aparecer no papel.
E pra isso, só praticando. Nem que seja entre uma janta e um trampo.

Não deu tempo de postar no domingo de Páscoa, então vai na segunda sem prazo de validade.

Preguiça da Páscoa

Post requentado e reciclado. Mais uma vez.

Novamente essa imagem ridícula pero engraçada pra comemorar o festival de chocolate, insulina e um tantinho assim sobre Cristo. Feliz Páscoa pra quem pode.

Sketchcrawl 22, convocando todos desenhistas

[img:Peninha.jpg,full,alinhar_esq_caixa]Convocação geral a todos ilustradores, desenhistas, desenhadores, rabiscadores, garatujeiros, cartunistas e amantes do desenho e dos ilustradores para o próximo Sketchcrawl 22, que vai acontecer agora neste prodigioso e expectativamente ensolarado dia 11 de abril. Na semana passada aconteceu o World Pillowfight ali perto, e teve mais repercussão na mídia (olha só que idéia, misturar o Pillowfight com o Sketchcrawl, é pra bater no parceiro com seu sketchbook), então como o Sketchcrawl tem uma finalidade mais nobre – afinal, todo mundo não pode esquecer de trazer uma contribuição em forma de não perecível, e isso não inclui sua camiseta do Palmeiras, que será doada para a Casa Assistencial Maria Helena Paulina, que cuida de crianças com câncer. Pense meu caro, como nobre será este ato, você desenha, faz o que gosta e ajuda um pequenino em dificuldades, que ato digno de um cavaleiro!

Aqui em São Paulo o pessoal irá se encontrar na frente do monumento Empurra-Empurra do Ibirapuera a partir das 10 da manhã, seguindo as orientações do pai Montalvo, o homem que deu o chute inicial desse evento no Brasil.

Novamente, pra quem não conhece, Sketchcrawl é um movimento global – sim meu caro, global, pois acontece praticamente em todos os países com energia elétrica no mundo neste dia – criado por Enrico Casarosa e que reune compulsivos e adoradores por desenho pra ficarem o dia inteiro desenhando. Aqui tem os links de todos sketchcrawls.

Portanto, neste sábado, traga seu boné e venha munido com suas ferramentas de desenho, além de uma garrafinha de água e um lanchinho que pode ser partilhado entre os presentes, pode ser aquele seu ovo de Páscoa trufado que será benvindo. Depois, com sorte seu sketch será compartilhado no mundo inteiro.

O último Sketchcrawl, para nossa surpresa, foi o que mais teve gente participante, mais de 120 neguinhos. Só não teve gente saindo pelo ladrão porque não tinha ladrão. Em todos sentidos da palavra. Vila Madalena ficou pequena demais para ilustradores mostrar sua arte.

Vamos tentar repetir esse marco, embora essa não seja a meta principal. Mas é como pimenta de coxinha, dá um temperinho extra.

E para completar, o Sketchcrawl pode ser feito em qualquer cidade do Brasil mundão, seja em São Paulo, seja em Jijoca de Jericoaquara. Acontece também no Rio de Janeiro, Curitiba, Campinas…primeiro a Oceania, depois o mundo. Não tem burocracia nem nada, basta juntar um pessoal que curte desenhar nesse dia fora de casa pra virar um Sketchcrawl. Vale até Sketchcrawl do bloco do Eu-Sozinho, não se intimide. O Bruno Porto fez um Sketchcrawl solitário lá em Beijing e ficou digno de nota.

Até lá, my friends.

Dinossauros ternurinhas

Fazendo meu jabásico novamente, coisa que é de meu direito de nascença assim que montei esse blog, apresento-lhes um trabalho que eu faço há anos pro McDonald’s mas pouca gente conhece e somente esse ano começarei a divulgar no meu portfólio digital, por inúmeras razões.

Isso é um cenário de um teatro do Show do Ronald que acontece todo final de semana em alguns restaurantes e que muda de tema todo mês. O de abril vai ser dinossauros e pré-história, que embora controvérsias de ordem marketeira e etimológica, pra mim ainda são a mesma coisa.

Como o público-alvo desse trabalho são os rebentos girinentos de tenra idade, tudo aqui é feito para agradar os pequenos. Quando eu tinha essa idade eu também gostava de ver coisas fofas, então coisas fofas serão feitas para eles.

Tudo feito no Illustrator CS4, cujo novo degradê que controla as transparências das cores em separado é um pedido atendido depois de várias cabras sacrificadas mentalmente. Depois eu faço uma resenha desses programas.

Desenhando uma canção enquanto ela é cantada

[img:linhalinha.jpg,full,alinhar_esq_caixa]Essa dica foi dada pelo pai da campanha da ShowOff que teve os trabalhos do Scott C., Marcelo Lourenço.

De vez em quando ele acerta, é uma dica que impressiona. Na minha sacripanta ignorância, fiquei abobado com que o Flash pode fazer, é algo de arrepiar os mamilos. Viva a tecnologia, que nos traz Playstation 3 e filminhos pornôs no celular!

É meio difícil de descrever, tem que ir no site da cantora Labuat (é isso mesmo, não errei?) e experimentar. Você consegue tracejar livremente com o mouse (com o tablet é melhor ainda) enquanto a linha ganha vida de acordo com os timbres da música Pintando uma Canción (ou será que o nome da canção é “Soy tu aire”?) é algo de estalar o maxilar. E a música é boa mesmo, nota 10 pela alegoria e samba enredo. Como meus ancestrais decompostos diriam, o que faltam inventar?

Tem que instalar o plugin do Flash 10, mas ó, vale a pena.

Toalhinha nova de abril, até que enfim

Desconsiderando alguns atrasos inexplicavelmente místicos, esotéricos ou logísticos, depois de meses vai ser lançada a nova lâmina de bandeja do McDonald’s.

O tema, aproveitando a onda do ano internacional da Astronomia é sobre….Astronomia!
Pode clicar na foto que ela cresce feito olho de invejoso.

Pena que o politicamente correto corre solto feito sal Lebre entre os viventes, pois muitos assuntos divertidos relacionados ao assunto astronômico ficaram de lado por não serem 100% pertinentes ao assunto. Portanto, conjecturas sobre extraterrestres ficaram no cemitério das boas intenções (e olhe que assunto não faltava).

Mas o assunto é fascinante, basta olhar pro céu à noite e, se você tiver o mínimo de consciência, você se sente pequenino como uma mitocôndria ao olhar pras estrelas.
Assisti todo o documentário “O Universo” do History Channel (embora a maioria das informações não pode ser colocada na lâmina porque não consegui outras fontes além do documentário pra corroborar a informação, revi “Cosmos” do Carl Sagan e nessa onda terminei de ler “O Mundo Assombrado por Demônios”, uma peça magnífica de papel em forma de livro.

Fiquei tão empolgado que até comprei um telescópio pra ver as crateras da Lua, o cometa com a cauda verde e a vizinha voluptosa do bairro ao lado. Passada a empolgação, virou um cabideiro ótico.

Deve entrar no McDonald’s agora em abril, debaixo do seu lanche.

Vixe, e só agora reparei que a piadinha do Gollum passou!!