Festa dos Monstros

Consegui um sonho de consumo em Portugal.

Há anos que estava atrás de “Mad Monster Party”. Pra quem não conhece, é um filme de animação de bonecos bem antes do Tim Burton estourar com Jack ou a Noiva Cadáver.
Passava muito na Sessão da Tarde, uns 30 anos atrás. O nome “Francesca” ficou marcado no meu imaginário feminino, na época.

Eu não sabia que os personagens foram criados por Jack Davis, um cartunista da revista Mad. Quem liga a revista na época de 80 identifica os traços dele nos monstros.

E o Conde Drácula? Ele não se parece com o Paulo Maluf mais novo?

Agora só faltam “Freaks” e “Eraserhead” pra completar minha lista de desejos cinematográficos em DVD.

Paul Arden

Esse livro foi indicado pelo meu chapa, padrinho do meu casamento, recém-papai, diretor de criação da FL Europa em Lisboa (mas na verdade ainda é um contínuo versão 7.0), Marcelo Lourenço. Queria ser Jim Morrison, James Bond, mas acabou virando publicitário. Pelo menos é dos bons.


Esse livro do Paul Arden chama-se”It’s not how good you are, it’s how good you want to be”, da Phaidon Books. Vale o investimento de R$25,00. Dá pra ler esse livro em meia hora, sem exageros.

É um livro ótimo para destravar idéias, renomear conceitos que você sabia que tinha mas não sabia explicar e tem ótimas frases pra colar no teto do estúdio quando ficar com falta de idéias.

Algumas delas:
“Don’t be afraid of Silly ideas”
“Fail, fail again. Fail better.”
“90% of advertising inspiration comes from other advertising. Get out of advertising”.
“If you can’t solve a problem, it’s because you’re playingby the rules.”

NÃO é um livro de auto-ajuda publicitário, antes que alguém pergunte. É mais legal do que isso.

Encomendei outro livro dele, bem parecido, chamado “Whatever you think, think the opposite”.

Wu Wei

Wu Wei é um conceito dentro da filosofia taoísta. É chamada de “Ação pela Não-Ação”, ou fazer as coisas sem uma intenção atrás, apenas fazer.

Wu Wei é fazer as coisas pelo querer, sem esperar retorno ou algo em troca. É difícil de entender, pois tudo o que se faz hoje tem uma intenção. É um conceito soberbo porque ele prega o desapego de resultados, conquistas ou medo de fracassos. No mundo corporativo isso chega a ser um insulto, mas na vida pessoal, o desapego deveria ser constante, pois acontece a toda hora. Nas filosofias orientais, o desejo gera apego, que gera ansiedade. A ansiedade é um tipo de excesso, e todo excesso gera um arrependimento. Se insistir no arrependimento, o próximo passo é a humilhação.

Não fui eu quem disse, foi Lao Tzu. E Confúcio assina embaixo.

Forrest Gump é um grande exemplo de um cara que segue a filosofia Wu Wei. Ele faz por que gosta, tem resultados, mas também não se apega a eles. Mas também não deixa de crescer e evoluir por causa desses atos, mas é por consequência, não por insistência.

Para quem é free-lancer, Wu Wei é o ideal, pois nunca se sabe como vai ser o dia de amanhã, então não adianta criar apegos nem intenções, apenas fazer as coisas. Isso não significa que não exista planejamento para essas ações (complicado? Nem tanto).

Pra quem quiser saber mais sobre isso e mais sobre a filosofia taoísta:
Sociedade Taoísta do Brasil.